Resenha: Mansfield Park

17.9.18
Sinopse: "Aos 12 anos de idade a jovem Fanny passa a morar de favor em Mansfield Park, a casa do esposo de sua tia, Sir Thomas Bertram. Inteligente e estudiosa, ela logo se torna amiga de seu primo Edmund, o filho mais novo de seus tios, apesar de ser sempre destratada por seu tio e pelas suas primas fúteis. Com o passar do tempo Fanny se torna uma bela mulher, que acaba chamando a atenção de Henry Crawford, jovem que se tornou recentemente seu vizinho juntamente com sua irmã, Mary. Notando o interesse de Henry por Fanny, os tios dela logo promovem um encontro entre os dois para logo depois se sentirem revoltados com o desprezo que a jovem demonstra pelo seu novo vizinho."

"Mansfield Park" é o terceiro livro de Jane Austen que eu leio, já foram "Orgulho e Preconceito", "Razão e Sensibilidade" e "Persuasão", e com certeza foi o que mais se distanciou das outras obras que eu já havia lido. Mansfield é uma história em que a personagem principal não tem uma personalidade forte, Fanny é o oposto das outras heroínas de Austen, ela é muito tímida, submissa e ingênua. E essa garota vai viver de favor na casa de alguns tios ricos, onde todos pensam que ela deve ser grata por estar ali (leia-se viver em função de todos os membros daquela casa.

O livro começa de maneira lenta, contando a história das tias e da mãe de Fanny, para que você entenda como aquela garota foi viver em Mansfield Park. Os anos se passam e acompanhamos a jovem agora com 18 anos, no auge de sua mocidade, onde é maltratada pela tia Norris, serve aos caprichos da Tia Bertram e é ignorada pela primas Maria e Julia, apenas o primo Edmund se preocupa com seu bem estar e por isso a garota cria uma paixão platônica por ele. Os moradores de Mansfield Park fazem amizade com os irmãos Crawford, que tem interesses matrimoniais pelos moradores daquela casa. Essa é a história do livro, sem dar muitos spoilers.

Não vou negar que a história custou me pegar, principalmente, porque Fanny não é o tipo de personagem feminina que me encanta, porém o desejo de saber até onde ia aquela história prevaleceu e eu persisti na leitura. E me surpreendi bastante e posso dizer que esse é um dos meus livros preferidos da autora (abaixo de Orgulho e Preconceito), não porque é um romance, mas porque a escrita está mais crítica, mais dura e muito realista. Eu particularmente adoro o tanto que a autora critica a sociedade da época, os interesses e os preconceitos e nesse livro ela está afiadíssima.

"Mansfield Park" é um livro dolorido, é difícil vê a pobre Fanny ser tratada tão mal pelas pessoas que se dizem responsáveis por ela. Também é triste vê que Edmund só a vê como irmã e nada mais. É difícil vê que ela não se encaixa nem mesmo na casa de sua família. Mas é real, mostra o pior das pessoas e eu gostei bastante do livro.

Até o próximo post!

Segunda Temporada de Anne with an E

16.9.18
Até o próximo post!

TBR de Setembro 2018

9.9.18
Até o próximo post!

Resenha: A Faca Sutil

3.9.18
Sinopse: "Perdida em um mundo novo, Lyra Belacqua encontra Will Parry — um fugitivo que logo se torna um aliado mais que necessário. Pois este novo mundo é povoado por Espectros sugadores de alma, e no céu as feiticeiras disputam espaço com anjos. Will procura pelo pai, um explorador desaparecido há anos, e Lyra busca a origem do Pó. No entanto, o que os dois encontram é um segredo mortal e uma arma de poder absoluto, capaz de decidir o resultado na guerra que se forma ao redor deles. O que nenhum dos dois suspeita é do quanto suas vidas, seus objetivos e seus destinos estão conectados... até que precisam se separar. A faca sutil é a viciante sequência de A bússola de ouro, um clássico da fantasia considerado pela Entertainment Weekly “o melhor livro de todos os tempos”. A fantástica aventura de Lyra continua, levando o leitor a novos mundos, rumo a uma descoberta devastadora."

"A Faca Sutil" é o segundo livro da trilogia Fronteiras do Universo do Philip Pullman e vai se passar algum tempo depois dos acontecimentos finais de "A Bússola de Ouro". Lyra foi parar em outro mundo e conhece Will Parry, um garoto misterioso de um mundo muito parecida com o nosso. Os dois se juntam para ajudar um ao outro e conseguir alcançar seus objetivos.

Mas quais são os objetivos dessas duas crianças? Esse é o mistério que ronda toda a história e que aos poucos vem sendo revelado. Lyra é uma importante peça e Will também. Juntos os dois vão encontrar o caminho para o destino que foi traçado para eles.

O segundo livro é bem melhor que o primeiro, que ainda tinha tudo muito obscuro, "A Faca Sutil" os mistérios começam a se revelar, Lyra cresceu muito depois do que viveu e Will é um garoto muito maduro e a história começa ficar cada vez mais densa e pesada. Philip Pullman faz críticas a Igreja, fala muito sobre pecado, desejos e questiona até mesmo "Deus".

"Fronteiras do Universo" apesar de ter uma personagem principal criança, não é direcionada a esse público, pelo contrário a história é muito complexa, cheia de camadas e muito científica. Não que uma criança não vá gostar, mas senti lendo este segundo livro que temos aqui um livro de fantasia adulto.

Gostei bastante deste livro, adorei a relação de Lyra e Will, e fiquei muito interessada pelos rumos que essa história pode tomar depois daquele final, que eu achei bem pesado, porém isso contou muito pontos para querer ler "A Luneta Âmbar". Estou começando a entender o amor que a galera tem por essa trilogia.

Até o próximo post!

Resenha: Tarde Demais

20.8.18
Sinopse: "A autora best-seller do The New York Times está de volta com um romance ainda mais sombrio, intenso e assustadoramente real.

Para proteger o irmão, Sloan foi ao inferno e fez dele seu lar. Ela está presa em um relacionamento com Asa Jackson, um perigoso traficante, e quanto mais os dias passam, mais parece impossível enxergar uma saída. Imersa em uma casa incontrolável que mais parece um quartel general, rodeada por homens que ela teme e sem um minuto de silêncio, também parece impossível encontrar qualquer motivo para se sentir bem. Até Carter surgir em sua vida. 
Sloan é a melhor coisa que já aconteceu a Asa. E se você perguntasse ao rapaz, ele diria que também é a melhor coisa que já aconteceu a Sloan. Apesar de a garota não aprovar seu arriscado estilo de vida, Asa faz o que é preciso para permanecer sempre um passo a frente em seu negócio e proteger sua garota. Até Carter surgir em sua vida. 
A chegada de Carter pode afetar o frágil equilíbrio que Sloan lutou tanto para conquistar, mas também pode significar sua única saída de uma situação que está ficando insustentável.
Colleen Hoover não tem medo de escrever sobre assuntos delicados e Tarde demais prova isso. Perpassando as formas mais cotidianas de machismo até as formas mais intensas e cruéis de abuso, a autora mergulha na espiral atordoante que é um relacionamento abusivo."

"Tarde Demais" foi o livro mais difícil que eu já li da Colleen Hoover e está sendo o mais difícil de resenhar. Afinal, a autora resolveu fazer algo bem diferente do que está acostumada e com uma carga emocional muito pesada. Não, que ela não tenha escrito livros com uma temática mais "pesada", mas nesse é tudo mais escancarado, aberto, despido.

Esse livro vai tratar de relacionamentos abusivos, e o protagonistas da história são Sloan e Asa, um casa que está junto há dois anos, mas que não tem um relacionamento muito saudável. Asa é dominados, controlador e muito agressivo do Sloan e a garota só está com ele porque não tem opção e precisa ajudar o irmão. E no meio disso tudo surge Carter, um cara diferente de Asa, que se interessa por Sloan e pode ser a luz no final do túnel.

Esse é o plot do livro, que foi escrito primeiro por wattpad e depois foi publicado, ou seja ele tem uma estrutura bem diferente do que os livros da Colleen, porque ele vai e volta várias vezes no tempo, tem prólogos e epílogos e capítulos alternados entre o "triângulo amoroso" da história.

Como sempre o forte da Colleen é criar personagens, Sloan é uma garota que podemos facilmente encontrar por aí, fragilizada e diminuída por um namorado abusador e uma mãe relapsa. Carter é o cara charmoso que tem algo a mais para dar, mas também não é um príncipe encantado. Agora, Asa Jackson é um belo espécime do pior tipo de homem que existe na terra, ele é asqueroso e odioso, tudo que ele faz e fala no livro me dava vontade de vomitar. E mesmo que a autora queira justificar que ele não é mau, apenas por ser mau, que há uma história por trás, é difícil engoli-lo.

A história é muito real e em tempos de mulheres que são assassinadas por seus companheiros é um alerta para as garotas, que às vezes se veem envolvidas com caras como o Asa. Porém não é um livro pra qualquer um, ele é um livro muito gráfico, diversas e diversas vezes a Colleen Hoover narrou cenas de estupro e pra uma mulher pode ser algo muito dolorido. Esse detalhe foi o que me fez tirar uma estrelinha deste livro, acho que não precisava descrever todas as barbaridades que Asa fez com Sloan, um acho que já seria suficiente para entender.

"Tarde Demais" é uma história muito triste, sobre manipulação, abusos, violência contra a mulher. Terminei de ler sem saber se gostava ou se odiava, mas a verdade é que como sempre Colleen me surpreendeu com uma história bem construída e muito real. Não é um livro que vou reler, porque pra mim foi muito difícil em alguns momentos, mas não consigo admirar o trabalho incrível que a escritora fez com essa história.

Até o próximo post!

Resenha: Clash - Quando os Corações se Partem

13.8.18
Sinopse: "Jude e Lucy estão de volta na continuação de Crash, trilogia best-seller do The New York Times
Certas coisas não mudam nunca: Jude e Lucy sentem uma paixão intensa e avassaladora um pelo outro, e brigam com a mesma intensidade.
Cada vez mais incomodada com os holofotes em Jude – e com a quantidade de mulheres em torno dele –, Lucy quer segurar seu bad boy enquanto treina para ser a melhor bailarina de sua turma. Porém, alguma coisa está prestes a dar
errado... e não vai demorar.
Como ela pode viver sem o garoto que ama? Como ela pode viver consigo mesma se desistir de seus sonhos? Se não fizer a escolha certa, Lucy pode acabar perdendo tudo."

'Clash" é o segundo livro da trilogia Crash da Nicole Williams e vai acompanhar Lucy e Jude no primeiro ano de faculdade. Depois de descobrirem a ligação entre suas famílias, eles resolveram ficar juntos apesar do passado. Mas como sempre o relacionamento desses dois sempre passa por altos e baixos. 

Lucy tem que lidar com a insegurança de namorar um cara como Jude e com as provocações de uma líder de torcida. E Jude quer provar para Lucy que merecem ficar juntos apesar de todos problemas. Basicamente temos uma Lucy surtando sempre e querendo se afastar e um Jude sempre correndo atrás dela.

O livro é tão viciante quanto o primeiro e suas cento e poucas páginas passam voando, afinal, temos problemas e problemas, reviravoltas e reviravoltas em cima do casal principal. Que se fosse pra problematizar, poderia dizer com toda certeza que esse relacionamento não é nada saudável. Porém é apenas um New Adult com um romance complicado (não queiram isso para vocês garotas).

Tal como o primeiro livro, Crash, "Clash" é apenas um romance gostosinho, para ser devorado e esperar ansiosamente pelo próximo capítulo da história de Jude e Lucy. Afinal, a gente tme uma quedinha por casais intenso.

Até o próximo post!

TBR de Agosto 2018

12.8.18

Até o próximo post!

Agora que sou crítica - Design e Desenvolvilmento por Lariz Santana