12 fevereiro 2018

Resenha: É Assim que Acaba

Sinopse: "Lily nem sempre teve uma vida fácil, mas isso nunca a impediu de trabalhar arduamente para conquistar a vida tão sonhada. Ela percorreu um longo caminho desde a infância, em uma cidadezinha no Maine: se formou em marketing, mudou para Boston e abriu a própria loja. Então, quando se sente atraída por um lindo neurocirurgião chamado Ryle Kincaid, tudo parece perfeito demais para ser verdade. Ryle é confiante, teimoso, talvez até um pouco arrogante. Ele também é sensível, brilhante e se sente atraído por Lily. Porém, sua grande aversão a relacionamentos é perturbadora. Além de estar sobrecarregada com as questões sobre seu novo relacionamento, Lily não consegue tirar Atlas Corrigan da cabeça — seu primeiro amor e a ligação com o passado que ela deixou para trás. Ele era seu protetor, alguém com quem tinha grande afinidade. Quando Atlas reaparece de repente, tudo que Lily construiu com Ryle fica em risco. Com um livro ousado e extremamente pessoal, Colleen Hoover conta uma história arrasadora, mas também inovadora, que não tem medo de discutir temas como abuso e violência doméstica. Uma narrativa inesquecível sobre um amor que custa caro demais."

"É Assim que Acaba" foi um dos livros mais aguardados da Colleen por se tratar de uma história em que ela se inspirou em sua própria experiência para escrever. O livro vai ser narrado pela Lily uma jovem que foi criada em um lar onde havia violência doméstica, ela acabou de conhecer o Ryle, um cara que tem receio de relacionamentos, mas por quem ela se sente muito atraída. Além disso ela ainda tem uma história de amor inacabada com o Atlas, um garoto que ela conheceu na adolescência.

Eu não fazia a mínima ideia do que se tratava esse livro, fui as cegas, e me deparei com assuntos que me incomoda profundamente, que são a violência contra mulher e os relacionamentos abusivos. Mas a maneira como a Colleen escreveu essa história foi muito diferente, você consegue entrar no lugar da vítima e entender o porque de certas atitudes dela, você também se encanta pelo agressor e acredita que ele pode mudar e isso é tão dolorido, mas você acaba deixando de apontar o dedo e isso é um soco no estômago.

A escrita da Colleen continua maravilhosa, eu devorei as 300 e poucas páginas e por mim se tivesse mais 300 eu leria. Principalmente, porque eu queria saber mais sobre o Atlas e eu acho que a autora poderia ter desenvolvido melhor o relacionamento dele com a Lily. Eu sei que a história era mais sobre Lily e Ryle, mas acho que a partir do momento que temos essa terceira ponta ela precisa ser mais bem desenvolvida.

Esse livro é um dos melhores da Colleen com certeza, mas não ganhou o lugar de favorito na minha lista, acho que ele está em 3º ou 4º lugar. Pra mim é um livro essencial por tratar de um assunto que precisa ser discutido e que tratou de uma forma muito delicada e eficaz, mas queria mais de Atlas e Lily.

Até o próximo post!

05 fevereiro 2018

Resenha: Anne de Green Gables

Sinopse: "Tudo parecia confortável demais na vida dos irmãos Matthew e Marilla Cuthbert, mas o coração de Matthew começou a dar sinais de que a idade lhe havia chegado. Decidiram, não antes sem muita ponderação, adotar um menino, de uns onze anos, para que pudesse receber educação apropriada e ser o ajudante de Matthew. Mas, a mão da Providência já havia agido na vida deles, e através de um erro de comunicação, uma menina ruiva, tagarela e sardenta ocupou o lugar do menino. Anne, assim que chegou a Green Gables, fica sabendo do engano, mas com sua imaginação fértil e conversa afiada, já havia conquistado o coração de Matthew. E assim começa a história de suas aventuras fascinantes, com sua “amiga do peito” Diana, e sua competição com o inteligente e perspicaz Gilbert Blyhte. À medida que Anne foi aceita em Green Gables, ela conquista também a admiração de toda a cidade de Avonlea e o encanto do seu mundo de sonho e imaginação se espalha e vai contagiar você também."

Depois de assistir a série "Anne with an E" da Netflix, fiquei super curiosa para ler os livros da Lucy Maud Montgomery, em que a série é adaptada, claro que também não queria esperar até a segunda temporada para saber o que vai acontecer com a Anne.

O livro "Anne de Green Gables" é um clássico da literatura canadense e explora muito suas paisagens e a sociedade do local, por isso temos diversas descrições de lagoas, florestas, flores, neve e muitos costumes locais. Para algumas pessoas isso pode soar cansativo, mas eu gosto muito, porque me sinto transportada imediatamente para aquele local e um dos personagens daquela história.

A escrita da Lucy Maud é muito simples e envolvente, a leitura fluí e é daqueles livros que te fazem rir em vários momentos, se emocionar e se ver apaixonada por todos os personagens. Os personagens da história foram o que mais me encantou, principalmente, a Anne, acredito porque fui uma criança com a imaginação fértil e que falava pelos cotovelos.

Como a Anne é uma garota muito falante, temos vários parágrafos apenas dela falando sobre o clima, sobre as pessoas, sobre roupas, sobre amor e amizades. E apesar disso, eu não me irritei, pelo contrário, me vi encantada como todos os moradores de Green Gables.

A relação da Anne com os outros personagens é muito boa e é como se aquela garotinha tivesse chegado a Green Gables com a missão de dar mais vida aquelas pessoas, que seguiam com sua rotina. E é tão lindo ver o amor dos irmãos Cuthbert por aquela menina, mostrando que para ser pais são é preciso ser do mesmo sangue.

O livro apesar de se passar na infância e a adolescência de Anne tem seu toque de romance e já é possível ver que a rivalidade entre Gilbert Blythe e Anne Shirley vai se tornar uma linda historia de amor (que conseguiu aquecer até o meu frio coração capricorniano).

"Anne de Green Gables" é delicioso e te deixa com vontade de ler os próximos livros que contam as peripécias da órfã ruiva. Por isso já adquiri o meu "Anne de Avonlea" para saber o que será dessa história.

Até o próximo post!

31 janeiro 2018

Playlist de Janeiro

Voltamos com a programação normal de playlist aqui neste blog. Comecei 2018 revisitando algumas músicas que eu adoro da banda Keane, que também é uma das minhas preferidas, comecei com "Silence By The Night" e depois fui pra algo mais "pesado" com Somewhere Only We Know" que é uma das minhas músicas preferidas da vida.

Ainda nesta vibe nostalgia comecei a escutar "I Do" da Colbie Caillat, que era uma cantora que eu escutava muito há uns 11 anos atrás, então voltei pra ela com essa música que tem tudo a ver com o momento que estou vivendo, afinal, eu também disse sim.

Depois a maluca pelas trilhas sonoras se viciou na música tema da novela "Salve o Rei", do casal Amália e Afonso, "Watch It All Fade". Essa música é espetacular e me encantou desde a primeira vez que ouvi.

Por fim, fiquei encantada pleo tema da abertura de "Anne with an E", que é uma música muito deliciosa, bem a minha cara, daquelas que me deixam de bom humor quando escuto.


Tenho escutado pouca música, porque estou muito focada nas leituras e colocando as séries em dia, mas acho que em fevereiro vamos ter uma playlist maior.

Até o próximo post!

29 janeiro 2018

Resenha: Razão e Sensibilidade

Sinopse: "Após a morte de Henry Dashwood, sua esposa e filhas – a sensata Elinor, a romântica Marianne e a jovem Margaret – veem-se empobrecidas e obrigadas a trocar sua confortável mansão por um pequeno chalé em Barton Park. Enquanto Elinor é controlada e cautelosa, Marianne demonstra abertamente seus sentimentos, recusando-se a adotar a conduta hipócrita que é esperada dela. As irmãs enfrentam grandes desafios em suas vidas amorosas e são forçadas a encontrar o equilíbrio entre razão e emoção antes de conquistarem o verdadeiro amor."

"Razão e Sensibilidade" foi o primeiro romance publicado da Jane Austen e vai contar a história das duas irmãs Dashwood, Marianne e Elinor, que após a morte do pai são obrigadas a sair de sua mansão para um chalé. As duas jovens tem personalidades bem diferentes uma da outra, enquanto Elinor é a razão, sempre pensando no melhor para a família, medindo suas ações e sendo mais contida, Marianne é a sensibilidade, que se entrega a tudo, se encanta pelas coisas e repudia tudo aquilo que não se assemelha a seu ideal de perfeição.

As duas, apesar de serem bem diferentes, estão em idade de se casar e já tem suas paixões. Elinor nutre uma paixão secreta pelo irmão da cunhada, Edward enquanto Marianne vive uma paixão avassaladora por Willoughby. O desenrolar desse relacionamentos serão o foco central do livro.

A escrita da Jane Austen é muito boa, acho legal que a história é sobre a preocupação de se encontrar um marido, mas a autora critica muito essa preocupação da sociedade de casar as pessoas, principalmente se pautando no dinheiro que cada um tem. A autora fala principalmente sobre amo acima de qualquer quantia, mas sem desprezar isso como algo para que a vida seja confortável. E nesse livro ela até questiona se a mulher não pode ter o direito de escolher com quem quer passar a vida, independente do quão favorável financeiramente será esse casamento.

O começo do livro é muito bom e te faz ler os primeiro capítulos rapidamente, mas no meio a história começa a ficar um pouco parada, tornando a leitura um pouco lenta, mas o final se desenrola rápido. Não é o melhor livro que já li da autora, preciso confessar que demorei a lê-lo mais do que normalmente demoraria para ler um livro de 233 páginas, mas o considero uma boa história.

Um dos motivos que eu acredito terem me feito não ter me encantado tanto pela história é o de que suas personagens não me cativaram. Elinor não é de todo mal, gosto da maneira como ela pensa, mas não gostei de sua superioridade perante algumas outras mulheres da história, uma vez que sua amada irmã se assemelha a muitas delas e ela mesmo assim  a idolatra. E por falar em Marianne, que menina mimada e dramática, ela me irritava profundamente.

Para um primeiro livro e uma autora "Razão e Sensibilidade" é muito bem escrito, mas não é a melhor obra da autora, sendo para mim uma preparação para livros mais bem construídos.

Até o próximo post!
Copyright © 2014 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo