05 dezembro 2012

The Selection: A Seleção





Sinopse: "Para trinta e cinco garotas, a “Seleção” é a chance de uma vida. Num futuro em que os Estados Unidos deram lugar ao Estado Americano da China, e mais recentemente a Illéa, um país jovem com uma sociedade dividida em castas, a competição que reúne moças entre dezesseis e vinte anos de todas as partes para decidir quem se casará com o príncipe é a oportunidade de escapar de uma realidade imposta a elas ainda no berço. É a chance de ser alçada de um mundo de possibilidades reduzidas para um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha.
Para America Singer, no entanto, uma artista da casta Cinco, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás Aspen, o rapaz que realmente ama e que está uma casta abaixo dela. Significa abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes.
Então America conhece pessoalmente o príncipe. Bondoso, educado, engraçado e muito, muito charmoso, Maxon não é nada do que se poderia esperar. Eles formam uma aliança, e, aos poucos, America começa a refletir sobre tudo o que tinha planejado para si mesma — e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que ela nunca tinha ousado imaginar."

A Seleção tornou-se minha distopia preferida, ela é totalmente diferente de Jogos Vorazes. Ao invés de um governo ditatorial e cruel, há Maxon o príncipe moderno mais fofo que existe (tenho uma queda por príncipes devido ao excesso de contos de fadas lidos na infância).

O livro é narrado por America Singer, a mocinha corajosa, romântica, sonhadora, determinada e amiga, e devido a todas essas qualidades a narração dela não se torna um problema. A estória é algo que me cativa porque uma seleção para escolher quem será a princesa me lembra tanto "Cinderella", mesmo tudo aquilo sendo meio ridículo (pessoas se casando através de reallity shows), não tem como não ficar encantado com tudo.

Como a maioria dos romances YA, a Seleção também tem um triângulo amoroso e as duas outras pontas não deixam de ser tão encantadoras quanto America. Maxon é um príncipe tão doce, sensível e compreensível que não tem como torcer para que tudo der certo pra ele. E Aspen também é tão maravilhoso, que em alguns momentos desejei que Meri não tivesse ido para a Seleção. Fiquei com o meu coração muito dividido, mas com a chegada do final da estória posso dizer que Maxon me encantou de vez e torço para que ele consiga conquistar America também.

A questão dos rebeldes achei que ficou meio perdida (um dos motivos pra que eu não achasse o livro ótimo) espero que Kiera Cass dê mais atenção a esse núcleo da série, para que possamos ter algo mais do que troca de roupas, encontros secretos e corações divididos (sim, eu gosto de uma boa cena de ação). Tirando isso o livro me agradou muitíssimo, terminei de lê-lo em dois dias, mas fiquei com aquela sensação de quero mais e quase o li novamente. Espero ansiosamente pela continuação (que infelizmente só sai em Abril).

Ah, não podia me esquecer de dizer o quanto essa capa do livro é linda.

Tenha uma boa leitura!
Até o próximo post!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Copyright © 2014 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo